logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

EUA e Japão estão na vanguarda das patentes de energia fotovoltaica

Seg, 22 de Outubro de 2018 11:36

China surge como maior investidor em tecnologia fotovoltaica nos últimos cinco anos, enquanto Brasil engatinha no assunto

 

A produção industrial é apontada como a grande vilã do aquecimento global, porque afeta diretamente as mudanças climáticas e causa prejuízos à humanidade. Para diminuir esse impacto, a busca por tecnologias verdes está cada vez mais em pauta. Entre as novas tecnologias está a geração de energia fotovoltaica, que já conta com várias inovações transformadas em patentes.

 

O pesquisador Alex Fabianne, do Núcleo de Pesquisas em Inovação, Gestão Tecnológica e Competitividade (IngTec), orientado pela professora Geciane Porto, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, traçou a rota tecnológica, ou seja, a trajetória de desenvolvimento dessa tecnologia.

 

Nessa trajetória, a China aparece como grande investidor em tecnologia fotovoltaica nos últimos cinco anos, mas Estados Unidos, Japão e Reino Unido ainda estão na vanguarda do desenvolvimento, e as iniciativas mais promissoras estão nos Estados Unidos e Japão.

 

Fabianne foi além na pesquisa. O pesquisador avaliou e identificou a cooperação tecnológica nessa área entre grupos de pesquisadores e vários países. O cluster formado pela China é muito específico para a Ásia, então se relaciona e coopera bastante com Taiwan e Hong Kong.

 

O cluster principal é formado pelos grandes investidores, “aí aparecem de novo os Estados Unidos e o Japão e, no caso, o Reino Unido e Alemanha, que concentram 80%, em termos de cooperação no desenvolvimento de tecnologia fotovoltaica. Eles trocam conhecimento e know-how para desenvolvimento de patentes”. O pesquisador destaca que Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha são os mais influentes na área hoje em dia.

 

Além das redes de pesquisadores que trabalham no desenvolvimento dessa tecnologia, o estudo conseguiu identificar em quais equipamentos esses grupos mais se debruçam, que vão desde a parte que contempla materiais como silício até aqueles dispositivos que fazem uso da energia produzida por uma célula fotovoltaica.

 

O Brasil, segundo Fabianne, começa a evoluir na adoção das energias renováveis, especialmente na fotovoltaica. Mas essa evolução ocorre mais no uso da tecnologia do que efetivamente na produção e desenvolvimento da inovação. O estudo oferece um mapa para os gestores públicos se basearem e definirem políticas que atraiam investimentos.

 

Fabianne fez a pesquisa com o método criado pelo grupo da professora Geciane, que identifica rotas tecnológicas, ou seja, os caminhos percorridos por determinadas tecnologias, da mais antiga até a mais promissora. O recurso oferece possibilidades amplas de análises, com destaque para previsão de tecnologias emergentes. O sistema usa, entre outras técnicas, o que os especialistas chamam de “mineração de patentes por meio de análise de redes”, que permite traçar uma rota tecnológica a partir de um banco de dados mundial de patentes (leia reportagem aqui).

 

O trabalho sobre patentes voltadas a energia fotovoltaica foi publicado no mês passado em duas revistas científicas, a Journal of Cleaner Production e a Scientometrics. Ouça a entrevista completa na Rádio USP.

 

Fonte: Jornal da Ciência, 19/10/2018, com informações Jornal da USP

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa