logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

Para ministro, investimento em nanotecnologia pode acelerar desenvolvimento econômico

Sex, 05 de Outubro de 2018 10:24

Gilberto Kassab participou do lançamento do Plano de Ação em Tecnologias Convergentes e Habilitadoras, em Brasília.

 

O desenvolvimento da nanotecnologia tem potencial para ampliar as oportunidades de crescimento econômico do país, afirmou nesta terça-feira (2) o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, durante o lançamento do Plano de Ação em Tecnologias Convergentes e Habilitadoras, em Brasília.

 

As tecnologias convergentes e habilitadoras são aquelas capazes de causar mudanças tecnológicas e radicais com potencial para gerar um ciclo acelerado de desenvolvimento. Em breve, o MCTIC também lançará planos de ação voltados a fotônica, materiais avançados e manufatura avançada.

 

Para o ministro, o desenvolvimento da nanotecnologia passa pela união de esforços entre poder público, institutos de pesquisa e setor produtivo. Por isso, o MCTIC assume papel central como articulador de iniciativas que estimulem o setor no Brasil.

 

“A nanotecnologia está presente em qualquer atividade econômica, nas mais diversas circunstâncias necessárias para o desenvolvimento do país. O ministério tem contribuído muito para promover o desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil em parceria com iniciativa privada e academia. Esse encontro é a oportunidade para que possam ser estabelecidas e definidas perspectivas e metas para o futuro”, disse Kassab.

 

O Plano de Ação de Tecnologias Convergentes e Habilitadoras foi construído a partir da Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (Encti) e tem prazo de execução até 2022. Além das estratégias, o documento define as áreas prioritárias para receber investimentos: saúde e meio ambiente; defesa e segurança pública; energia e mobilidade; agricultura; descoberta inteligente de novos materiais; e mapeamento geológico marinho.

 

“A nanotecnologia no Brasil é um caso de sucesso e é reflexo do investimento e planejamento de médio e longo prazo. Hoje, podemos dizer que não há gap tecnológico significativo entre o que é feito no Brasil e o que é feito no exterior. Há bastante tempo, o governo federal vem investindo na formação de recursos humanos de primeira linha, montou linhas de pesquisa, comprou equipamentos, criou conhecimento para a segurança em nanotecnologia e, agora, está concentrando esforços para transferir esse conhecimento construído ao longo dos anos para a geração de inovação. E vamos ter um caminho bem pavimentado com esse plano de ação”, destacou o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTIC, Maximiliano Martinhão.

 

Prova disso, segundo ele, é a formação das redes de centros de inovação em nanodispositivos e nanosensores e de nanomateriais e nanocompósitos criadas no âmbito do Sibratec NANO, iniciativa apoiada pelo MCTIC que aproxima, articula e financia projetos cooperativos entre empresas de diversos portes e 23 instituições científicas e tecnológicas (ICTs) que compõem o SisNano. Além disso, um levantamento feito pelo MCTIC apontou que mais de R$ 149 milhões foram investidos em nanotecnologia por meio da utilização da Lei do Bem, e 179 patentes foram geradas em nanotecnologia desde a formação do SisNano, em 2012.

 

 

 

Em julho, a Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep) lançou a chamada pública CT-Infra Temático 4/2018, com a nanotecnologia como um de suas linhas temáticas para receber investimentos na modernização de laboratórios que atuam nas áreas de nanofabricação, nanomateriais, nanomedicina, nanotoxicologia, entre outros. Segundo o presidente em exercício da Finep, Ronaldo Camargo, o volume total demandado pelas ICTs superou R$ 400 milhões.

 

“Esse é um valor que superou em quase 20 vezes o que estamos disponibilizando, que são R$ 25 milhões. Mas é uma prova inequívoca da relevância da nanotecnologia e do avanço expressivo no interesse por trabalhar com essa tecnologia no Brasil”, ressaltou Camargo.

 

SisNano

 

No evento, também foi aberto o 3º Workshop do Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologias (SisNano), que reúne os representantes dos laboratórios participantes da iniciativa. O encontro, segundo o coordenador-geral de Desenvolvimento e Inovação em Tecnologias Convergentes e Habilitadoras do MCTIC, Leandro Berti, serve para alinhar estratégias para a atuação concertada dessas unidades.

 

“Reunir os laboratórios do SisNano é uma oportunidade ímpar para alinhar as estratégias para o futuro e compartilhar experiências que cada um deles está desenvolvendo. Assim, vamos poder traçar as estratégicas para fortalecer a nanotecnologia no Brasil”, explicou Berti.

 

Criado em 2012 como um dos pilares da Iniciativa Brasileira de Nanotecnologia (IBN), o SisNano é formado por uma rede de unidades direcionada à pesquisa, desenvolvimento e inovação em nanotecnologia e nanociências, de caráter multiusuário e de acesso aberto. É composto por oito Laboratórios Estratégicos vinculados diretamente ao governo federal, que devem disponibilizar ao menos 50% do tempo de uso dos equipamentos a usuários externos; e outros 18 Laboratórios Associados.

 

As unidades estratégicas do SisNano são: Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro); Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Universidade de São Paulo (USP); Universidade Federal do Rio Grande (FURG); Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

 

Fonte: Portal MCTIC

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa