logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

Mercados regulados tem menos espaço para inovação

Qui, 12 de Abril de 2018 08:40

Inovação, disrupção, tecnologia e startup. Esses foram alguns dos assuntos abordados na Insurtech Brasil que aconteceu nessa quinta-feira, dia 5, em São Paulo. O evento atraiu atenção de profissionais de diversas áreas interessados no tema.

 

Na parte da manhã, Pedro Waengertner, fundador da ACE, uma aceleradora de startup, fez a abertura do evento e falou sobre a importância da inovação. “O que era tendência, virou realidade”, disse ele. Hoje a taxa de sobrevivência das empresas é baixa. Segundo Waengertner, poucas empresas sobreviveram nos últimos 40 anos. Há uma redução no ciclo corporativo. “Se continuar assim, uma empresa vai durar em média 14 anos. Ou ela vai quebrar ou ser comprada por alguém”, apontou. Ele lembrou ainda que no Brasil, as empresas estão calcadas em setores tradicionais.

 

Nesse sentido, ele explicou que tradicionalmente, fomos treinados para pensar de forma linear, mas a tecnologia nos faz pensar de maneira exponencial. E aí pode surgir um gargalo. A solução apontada por Waengertner, diferente do que se pensa, não é a tecnologia. “Hoje temos acesso a diversas tecnologias, ela está acessível e democratizada”, disse ele.

 

A solução é trabalhar como startups. “A questão é o design organizacional. Como é montada a estrutura e cultura da empresa”, revelou. Na cultura há uma série de pontos que podem barrar a inovação: compliance, comportamento e regras que podem engessar essa transformação.

 

E, nesse sentido, a chave para inovação é permitir que as pessoas errem “e errem barato”, diz Waengertner. E isso é “permitido” na estrutura de startup que tem uma hierarquia mais fluida com o funcionamento voltado para dados: há espaço para testar e inovar já que são mais pragmáticas. “Errar é aprender e ganha a briga quem aprende mais rápido”, disse ele.

 

Mauricio Martinez, gestor de inovação da Porto Seguro e responsável pela Oxigênio Aceleradora. Ele falou da experiência da empresa que, apesar de ter sido criada na seguradora, tem uma atuação independente. “A Oxigênio nasceu de uma provocação na empresa de como a tecnologia poderia ajudar a empresa a ser mais ágil e a resposta seria uma startup”.

 

Ele explicou que a Oxigênio tem a intenção de estimular e ajudar o ecossistema de empreendedorismo e participar de maneira ativa. A Oxigênio leva a inovação para dentro da empresa e ajuda as startups a construir projetos.

 

Fonte: Portal ANPEI, com informações Segs

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa