logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

MAHLE lança novo produto com potencial para revolucionar a indústria do etanol em nível global

Qua, 28 de Fevereiro de 2018 14:23

O combustível da vez

 

O uso de biocombustíveis em motores de combustão interna representa uma alternativa importante para reduzir significativamente as emissões de CO2, um dos gases responsáveis pelo efeito estufa. Neste sentido, países de todo o mundo estão usando o etanol como combustível estratégico. No Brasil e nos EUA, por exemplo, há uma significativa frota de veículos movidos a etanol em concentrações de 100% e 85%, respectivamente. Além disso, cada vez mais países usam o etanol misturado à gasolina, em proporções que variam entre 10% e 30%, para aumentar a octanagem do combustível.

 

Esta tendência é definitiva porque, ao aumentar a octanagem da mistura, o etanol atende perfeitamente ao desafio dos novos e energeticamente eficientes motores de combustão, que requerem combustíveis de alta octanagem (HOF, ou High Octane Fuels), resistentes à detonação.

 

Como medida do potencial de mercado global para este combustível renovável, sustentável e ambientalmente correto nos próximos anos, a China, com sua gigantesca capacidade de consumo, anunciou que passará a adotar em todo o seu território a mistura de 10% de etanol à gasolina. Com a mesma visão, os Estados Unidos estudam o aumento da mistura, atualmente em 10%, para 25% a 30%. .

 

O uso do etanol é uma alternativa rápida para encaminhar as emissões de CO2 do ciclo completo, chamado do “poço à roda”, porque usa a infraestrutura existente. Combinado com a eletrificação dos veículos e outras tecnologias avançadas de propulsão, como células de combustível, ele ajudará na redução da emissão de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global.

 

Até que se tenha energia elétrica produzida majoritariamente a partir de fontes renováveis e os veículos sejam exclusivamente elétricos, o etanol continuará a desempenhar um papel essencial. Assim, no caso do Brasil, um importante caminho a seguir é a utilização eficiente do etanol, mesmo em veículos híbridos.

 

O desenvolvimento do MBE2

 

O MBE2 foi desenvolvido no Centro Tecnológico da MAHLE, localizado em Jundiaí, São Paulo (um dos 16 centros de P&D do Grupo MAHLE em todo o mundo), com base nos conceitos de uma patente aplicada por terceiros e com a sua colaboração. A MAHLE também ganhou acesso aos direitos de explorar esta tecnologia para a exploração de etanol em escala global. O desenvolvimento de quatro anos de intensas atividades começou em um laboratório próprio, criado pela MAHLE exclusivamente para essa finalidade, e incluiu dois anos de operação de um projeto piloto, seguido de uma unidade em escala industrial, realizados em uma usina produtora de etanol na região de Sertãozinho, SP.

 

Fermentação é o processo chave a ser aperfeiçoado nas usinas

 

Como se sabe, o etanol, tanto o de primeira geração, produzido a partir de diferentes culturas, notadamente cana de açúcar, quanto o de segunda geração, produzido a partir de biomassa, provém de fermentação usando levedura biológica. Focado na inovação do processo de fermentação, que é o gargalo de eficiência das usinas, o MBE2 consiste de um sistema que atua em fermentadores através de um equipamento de controle do processo e de um software proprietário. Este sistema estimula as reações bioquímicas, o que resulta na maior produção de etanol a um custo operacional baixo.

 

Números que falam por si

 

Considerando o reduzido investimento e o baixo custo operacional, o MBE2 constitui uma alternativa muito mais barata que as convencionais para aumentar a produção. Como este aumento não requer o crescimento da área plantada e considerando ainda a importância estratégica do etanol na redução da emissão de gases de efeito estufa, o MBE2 não apenas contribui para os resultados das usinas, mas também para a sustentabilidade.

 

Mercado & futuro

 

Esta tecnologia pode ser aplicada a qualquer matéria prima e qualquer geração de bioetanol a partir de cana de açúcar ou outra biomassa como o milho, muito utilizado nos Estados Unidos, com aumentos de rendimento a serem ainda determinados. Os mercados potenciais no Brasil e global dependem das situações econômica e política.

 

Para mais informações, entre em contato com o departamento de relações com investidores da MAHLE Metal Leve pelo e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 

Fonte: Portal ANPEI

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa