logo

slogan

ufscar

Cadastre-se e receba as novidades sobre a Agência Inovação da UFSCar por e-mail
parceiros_top

failogopequeno

 

fortec

 

inpi

 

parceiros_bottom

Redes Sociais

face twitter youtube

"Inovação é o motor que mantém as políticas sociais em funcionamento"

Sex, 23 de Fevereiro de 2018 17:43

Avaliação foi feita por Elisabeth Reynolds, que coordenou no MIT um conjunto de estudos sobre inovação no Brasil

 

O Brasil enfrenta, neste momento, grandes limitações orçamentárias. De modo a apoiar a agenda de política social, o país necessita investir em aumento de produtividade e crescimento por meio da inovação.

 

A avaliação foi feita por Elisabeth Reynolds, diretora executiva do Industrial Performance Center (IPC) – um instituto de pesquisa vinculado ao Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos –, durante um workshop realizado no fim de janeiro, na Fapesp.

 

Intitulado “Innovating in Brazil” (Inovando no Brasil), o evento reuniu pesquisadores norte-americanos e brasileiros, além de representantes do governo e da indústria, com o objetivo de debater qual deve ser a agenda de inovação para o Brasil avançar.

 

A discussão teve como base 14 artigos elaborados por cientistas do MIT e por seus alunos de pós-graduação – muitos deles brasileiros –, além de colaboradores de instituições como Banco Mundial, Universidade de São Paulo (USP), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Inter.B Consultoria Internacional de Negócios e Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI).

 

Os trabalhos – ainda não publicados – traçam um panorama das instituições, políticas e programas que dão forma ao sistema de inovação do Brasil. Discutem o que falta às universidades brasileiras para que possam atuar efetivamente como motores da inovação no país. Destacam a necessidade de abrir a economia brasileira, altamente protegida, para o mercado globalizado.

 

Os trabalhos tratam também dos chamados “intermediários da inovação” – como os centros de engenharia da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e da Fapesp, além dos Institutos Senai de Inovação (ISI) – que, segundo os autores, “se esforçam para preencher lacunas importantes no ecossistema de inovação”. Como formas organizacionais mais simples e menos burocráticas, avaliam os pesquisadores, esses intermediários encorajam grandes projetos aplicados de pesquisa e desenvolvimento em empresas, além de colaborações mais produtivas com as universidades.

 

Segundo Reynolds, o objetivo do workshop foi debater os temas tratados nos artigos com membros da academia, do governo e da indústria antes de tornar os trabalhos acessíveis ao grande público. A expectativa é que a versão final seja divulgada ainda em 2018 – a tempo de influenciar o debate sobre inovação durante as eleições presidenciais.

 

Em entrevista concedida à Agência Fapesp, a diretora executiva do IPC destacou a necessidade de um planejamento de longo prazo na área de ciência, tecnologia e inovação, descolado das urgências políticas do dia a dia. Leia, a seguir, os principais trechos da conversa.

 

Agência Fapesp – Poderia explicar o escopo do IPC e por que o centro tem interesse no tema da inovação no Brasil?
Elisabeth Reynolds – O instituto foi fundado no início da década de 1990. Na época, o Japão dominava o mercado automotivo e havia uma grande preocupação em relação à produtividade e à competitividade da indústria norte-americana. O MIT conduziu então um grande estudo sobre o tema nomeado “Made in America“, que se tornou bastante popular. O trabalho deixou claro que precisávamos de um centro de investigação que não fosse focado em apenas um tipo de indústria, ou em uma questão específica como produtividade, mas olhasse para todas as empresas e a indústria no contexto da economia globalizada. Esse tem sido o trabalho do IPC nos últimos 25 anos: entender como nossas empresas e a indústria podem se desenvolver, inovar e aumentar sua competitividade no contexto da economia globalizada. Nossa pesquisa pode estar focada em uma indústria ou em um país específico. Já desenvolvemos trabalhos na Europa, na Ásia e no México. O Brasil é uma economia emergente e é muito interessante para nós entender qual deve ser a agenda de inovação e o que precisa ser feito para que o país realmente avance.

 

Agência Fapesp – Quando começaram as pesquisas no Brasil e quantos cientistas estão envolvidos?
Reynolds – Temos trabalhado no Brasil há muitos anos, em parceria com pesquisadores de campo interessados em construir capacidade de inovação no país. Nosso time no IPC é formado por cinco ou seis pesquisadores sêniores e, além disso, contamos com cerca de oito estudantes – a maioria é brasileira. Temos nos beneficiado dessa proximidade com os estudantes, pois eles moram nos Estados Unidos, mas conhecem o contexto brasileiro muito bem. Fomos trazidos ao Brasil pela primeira vez em um projeto patrocinado pelo Senai [Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial], que tinha o objetivo de introduzir mais inovação em sua agenda. Nossa missão era estudar não apenas os 25 institutos de inovação mantidos pelo Senai em diversos estados, como também avaliar o contexto mais amplo para a inovação no país. Após anos de investigação, decidimos reunir os pesquisadores do IPC e nossos parceiros brasileiros, além de outros acadêmicos e líderes de empresas, para iniciar uma conversa sobre qual seria a agenda de inovação necessária para o Brasil. O resultado foi debatido no workshop realizado na Fapesp.

 

Agência Fapesp – Qual era a proposta do workshop?
Reynolds – Discutimos o conteúdo de 14 artigos ainda não publicados – metade escrita por pesquisadores do MIT e metade por nossos colegas brasileiros. Convidamos também cerca de 10 debatedores envolvidos com a indústria, com o governo ou com a academia. Os artigos cobrem temas-chave, que consideramos importantes para a agenda de inovação brasileira. Entre eles está o contexto político-econômico da inovação, o papel das universidades e das instituições. Nós observamos muita inovação institucional no Brasil – novas instituições sendo formadas, que são organizações voltadas a promover pesquisa translacional com potencial impacto em empresas e na economia. Também buscamos entender a competitividade das empresas e da indústria brasileira. Trata-se de uma economia altamente fechada e protegida. Uma das discussões relevantes foi sobre como criar políticas públicas que ajudem a abrir a sociedade para a economia global.

 

Agência Fapesp – Há previsão de quando e onde esses artigos serão publicados?
Reynolds – Esperamos que seja ainda este ano, antes das eleições. Nossa expectativa é que o resultado das pesquisas auxilie o debate sobre o tema durante as eleições. Não estamos interessados em publicar artigos em jornais acadêmicos altamente especializados e sofisticados, pois poucos têm acesso a esses meios. Gostaríamos de ver este trabalho publicado em jornais e também reunir os artigos em um livro acessível ao público geral. Também esperamos comunicar os resultados em diversos locais, para pessoas interessadas em fazer com que essa agenda avance, sejam elas ligadas ao governo ou a organizações relacionadas à indústria.

 

Agência Fapesp – Com base nos artigos em discussão, quais seriam os principais pontos da agenda de inovação brasileira?
Reynolds – Podemos destacar três fatores. O primeiro é a necessidade de abrir a economia brasileira para a economia global – algo importante para aumentar a competitividade e a inovação. Isso trará verdadeiros benefícios para o país, não apenas para as empresas como também para trabalhadores de baixa renda. Em segundo lugar eu destacaria a necessidade de reformas institucionais. Uma das principais discussões do workshop foi o que precisa acontecer para o governo se tornar um parceiro completo do setor privado. E como obter uma melhor coordenação no sistema fragmentado de inovação do Brasil. O terceiro ponto é a criação de uma mentalidade [mindset] no país que permita ver a agenda de inovação e a agenda da ciência e da tecnologia como algo fundamental para sustentar as políticas sociais e a rede de segurança social do Brasil. O país enfrenta grandes limitações orçamentárias atualmente. De modo a apoiar a agenda de política social, o país deve investir em aumento da produtividade e no crescimento por meio da inovação. Sacrificar a agenda de inovação em nome de uma agenda social seria destruir o motor que mantém as políticas sociais do país em funcionamento. Temos que encontrar uma maneira de construir um consenso, criar uma abordagem sistêmica para apoiar a agenda de inovação, de modo que seja vista como parte importante do avanço da economia brasileira. O Brasil começou a ver algum crescimento econômico e esse mindset tem de ser encorajado neste momento. Caso contrário, há um grande risco de o motor ser destruído, comprometendo o avanço das políticas sociais no país.

 

Agência Fapesp – Um obstáculo ao avanço da inovação apontado por vários dos participantes do workshop é a falta de governança e de planejamento de longo prazo no país. Como superar esse problema em um cenário político tão instável como o atual?
Reynolds – É um fato da democracia as políticas públicas estarem sujeitas a experiências políticas. Temos esse problema nos Estados Unidos também. Políticos querem ser reeleitos e isso significa apoiar políticas que, no curto prazo, agradem seus eleitores. O que temos visto em outros países é a construção de instituições capazes de ficar a um passo de distância do processo político. Um serviço público bem estruturado, por exemplo, que não se mova com a mudança do vento a cada governo político. Instituições que se sobressaem a qualquer indivíduo, um ministério que trabalha com planejamento de longo prazo, investimentos direcionados para um determinado projeto de longo prazo. Nos Estados Unidos vemos isso com frequência no Departamento de Defesa, onde há um plano de longo prazo independente do que acontece na política. No passado, o Brasil já fez isso. Foi o caso da Embraer no setor aeroespacial. Também há exemplos no setor agrícola e de biocombustíveis – este último infelizmente não é mais assim. É um grande desafio para o Brasil. O primeiro passo é criar um contexto institucional que permita e incentive um planejamento de longo prazo separado das urgências políticas do dia a dia. Penso que esse é o tipo de reforma institucional que o país deveria estar buscando – pelo menos no que se refere à agenda de inovação.

 

Fonte: Jornal da Ciência, 22/02/2018, com informações Agência Fapesp

 
free poker
logo_rodape
Agência de Inovação da UFSCar - Rodovia Washington Luís, km 235 - Caixa Postal 147 CEP: 13565-905
São Carlos, SP - Brasil - Tel: (16) 3351.9040 - inovacao@ufscar.brmaps
mapa